sábado, 14 de agosto de 2010

gato malvado!!


Coloco o volume do mp4 no máximo que eu consigo.Minha vontade é de furar meus timpanos e nunca mais 0uvir nenhuma palavra que os outros falem.Nada.Eu não quero mais ouvir nada.
Apoio as mãos na grade da varanda e olho pro céu.Está nublado e não posso ver as estrelas.Mesmo assim, eu ainda olho pro céu.E sinto algo diferente em meu coração.
Tento imaginar como seria bom se eu fosse uma ave e pudesse viajar pra sempre.Se eu pudesse ser livre e fazer o que eu bem intendesse.Apenas livre.
Uma pequena lágrima desce pelo rosto.Eu não me importo, apenas deixo-a pingar no chão.O que mais me perturba é essa tristeza dentro de mim.É pensar que eu não consegui mais amar depois dele.Não que eu o ame ainda - já disse, meu filme teve um final diferente.Mas é só que eu não consigo amar mais ninguém.
Talvez eu ainda o ame, talvez meu filme ainda não tenha terminado, mas sou orgulhosa demais pra admitir isso.
Meu olho volta ao foco e consigo ver a lua agora.Ela parece um sorriso de um gato.
Um gato malvado, que fica rindo da minha desgraça.
Cubro os olhos para não ve-lo, mais ainda posso ouvir seu riso leve como um sussurro.
Mais uma lágrima cai no chão.
Seco meu rosto com as mãos, respiro fundo uma, duas vezes.Queria ficar a eternidade ali, mas tenho que seguir minha vida.
Levanto-me.

3 afogaram seus delírios junto comigo:

Fernanda C. disse...

Acho que todos nós gostaríamos de ser como aves, Mari, livres para irmos para onde bem entendêssemos. E um dia, você vai amar outra pessoa, é claro que vai. Só dê tempo ao tempo e essa pessoa vai chegar. Saudades de você, amiga. Saudades dos seus textos sempre tão profundos também.

Juliana Biagi disse...

ADOREI a narrativa! :)

' Jαdє Amσrιm disse...

Sabe que tem uma coisa que eu aprendi é que para se curar um amor só com outro, e para ter outro amor você precisa perdoar o primeiro.
Levei dois anos para me apaixonar novamente, estamos juntos tem sete meses e planejamos toda uma vida juntos! rs
Espere, é o melhor que faz!

Beeijos!